Posted 19 April 2014, 1 day ago | 2,225 notes | reblog this post
(originally reanexar / via armario-de-ilusoes)

Who I Am - Parte 3

Dessa vez a viajem até que foi bem tranquila.

2ª Parada

Tivemos apenas 20 minutos pra fazer o necessário.
Sai pra fumar e novamente o idiota esbarrou em mim.

Eu: Você sofre de algum distúrbio de direção ou simplesmente sente prazer em esbarrar nas pessoas?
Thomaz: Na verdade sim, só que não.

Fiz uma cara de como se não tivesse entendido nada e realmente não entendi mesmo.

Thomaz:  Acho que eu tenho sim um certo prazer em esbarrar nas pessoas, mais especificamente… Você.

Ele aproximou seu rosto ao meu, pegou meu cigarro e saiu andando.
Idiota. 

E a viagem mais uma vez, foi bem tranquila.

3ª Parada

30 minutos.
Fui ao banheiro, arrumei meu cabelo, coloquei uma roupa mais bonitinha e passei um pouco de maquiagem.

Cloe: Amiga, você precisa falar com o Thomaz, agora.
Eu: Cara, mas por que eu? Tudo bem que eu o conheço a mais tempo, mas não temos intimidade.
Cloe: Poxa Kat, você prometeu.
Eu: Mesmo sendo promessa, não é problema meu.
Cloe: Por favor Kat, olha pra Celi, ela ta tão esperançosa.

Pois não devia.

Cloe: Por favor…
Eu: Ok.

Quando saí, vi o Thomaz com os outros meninos…
Enfim, é agora ou nunca.

Eu: Thomaz!

Ele veio na minha direção e eu o puxei pra um canto qualquer.

Eu: Tipo assim, tem amiga minha muito afim de você.
Thomaz: Quem?
Eu: A Celina.
Thomaz: Não sei quem é.

Eu ri.

Eu: Aquela ali, de rosa. - Apontei.
Thomaz: A gorda?
Eu: Thomaz!
Thomaz: Ta, ela é bonitinha, mas não faz meu tipo.

Deu as costas.

Eu: Espera Thomaz! - Puxei-o pelo braço. - Pelo menos fale com ela.
Thomaz: Cara, não é problema meu.
Eu: Claro que é Thomaz. é de você que ela gosta. Tente ao menos conhecê-la ou converse com ela e diga que não quer nada.
Thomaz: Por que você não faz isso?
Eu: Thomaz, por favor…
Thomaz: Ta, eu falo com ela.
Eu: Mesmo?
Thomaz: Sim, mas vou deixar claro que não quero nada, mesmo que eu tenha que fazer algo.
Eu: Ok. faça o que quiser, mas fale com ela. 

Seguimos viagem.
O pessoal tava bem agitado, cantando, gritando e sei la mais o que, mas muito agitados.
Talvez porque já estamos chegando, até eu to ansiosa.
O Thomaz se sentou ao lado da Celina.
Ela parecia bem contente com a presença dele.
Enfim, fiz algo útil.
Me levantei pra pegar algo pra beber, abri o freezer, peguei uma lata de coca-cola e quando me virei, fui surpreendida.
Surpreendida mesmo.
Cara, o Thomaz me beijou…
Todo mundo olhou pra gente e começou a gritar…
Acabei correspondendo, enquanto tento entender ao certo o que ta acontecendo.

Celina: Katherine! Você prometeu! - gritou.

Na mesma hora, empurrei o Thomaz, olhei pra ela e ela tava chorando.
As meninas estavam rindo, claro. Mas quando ela se virou, elas pararam na mesma hora e a levaram para o andar de baixo para consola-la, como se importassem-se. Exceto a Melissa, que realmente se importa.
Tentei ir atrás, mas a Mel me impediu.

Melissa: Deixa ela.
Eu: Mas cara, eu não queria…
Melissa: Querendo ou não, ta feito. Agora espera, depois você pede desculpas.

Dei as costas.

Eu: Thomaz, idiota, por que você fez isso?
Thomaz: Não consegui dizer pra ela que não tava afim, então… Eu mostrei.
Eu: Claro, ótimo jeito de mostrar a uma garota que não ta afim dela.

Voltei pro meu acento, coloquei o fone, abri a latinha, dei um gole e tentei esquecer o que aconteceu. Apesar de no fundo, eu ter gostado.
Enquanto ele, foi cumprimentado pelos meninos como se fosse algum tipo de rei e tivesse feito algum bem a sociedade.

- Marina Coutinho

Posted 18 April 2014, 1 day ago | reblog this post
Posted 18 April 2014, 1 day ago | 578 notes | reblog this post
(originally anonymoushy / via sejaoqueouniversoquiser)
Posted 12 April 2014, 1 week ago | 74,436 notes | reblog this post
(originally bemysanity / via deva-neioss)
Posted 12 April 2014, 1 week ago | 67,930 notes | reblog this post
(originally stffixed / via deva-neioss)
Posted 12 April 2014, 1 week ago | 7,633 notes | reblog this post
(originally praianaa / via bitching-is-good)

Who I Am - Parte 2

Cloe:
Gente que horas que o ônibus vai estar na frente do colégio mesmo?
Rafael: 23h.
Vitor: Cara é 15 pra meia noite. - disse olhando pro celular.

Saímos em disparada, pagamos a conta e subimos os 3 quarterões até a escola o mais rápido possível.
Chegamos lá e não tinha nada, nem ônibus, nem van, nem carro, nem moto e nem mesmo uma bicicleta.
Tudo vazio, escuro e silencioso. Exceto pelas reclamações do pessoal pelo fato de termos perdido o ônibus.

Vitor: E agora?
Pedro: Tu não tem o telefone dele Rafa?
Rafael: Tenho, to tentando ligar mas ta caindo da caixa postal.

Tava todo mundo culpando o Rafael, sendo que ninguém prestou atenção no horário também. Tava a maior confusão até que… Ouvimos o motor no ônibus chegar e estacionou bem na nossa frente.

Motorista: Galera, desculpa a demora. É que eu tive que levar a minha cunhada ao hospital. Ela caiu da escada e parece ter quebrado a perna.

Vitor: Acha cara, não esperamos quase nada, tudo bem. Mas e a sua cunhada, tudo bem?
Motorista: Graças a Deus, parece que ela só quebrou a perna mesmo. Não que isso seja bom, mas pelo menos não é tão grave, ainda mais por uma queda daquelas.
Vitor: Nossa, que bom cara. Graças a Deus.

Agora eu me impressionei com a falsidade do Vitor. Graças a Deus? O Vitor é ateu.
Entramos no ônibus e iniciamos uma viagem de 6 horas até o Resort.
Todo mundo tava muito agitado, nem tanto pela viagem, era mais pelo ônibus. Já que era um ônibus de 2 andares só pra 15 pessoas.
Por mais que o motorista pedisse pra que ficássemos pelo menos a maioria do tempo sentados, era impossível, pois tinha muito espaço pra andar.
Todo caso, eu fiquei sentada no último banco do 2º andar ao lado da janela, com o meu fone, ouvindo música e observando a movimentação, tanto dentro no ônibus como fora.

1ª Parada

Temos 1 hora para fazer e comprar tudo o que precisamos.
Fomos até o mini-shopping.
Eu fui ao banheiro com as meninas, fiz minhas necessidades, dei uma arrumada no meu cabelo e fiquei ouvindo as fofocas sobre os garotos. Principalmente o Thomas, mas todas estavam proibidas de chegar perto dele, já que a Celina gosta dele.
Tipo What? Ela nem conhece ele.
Sai de lá e fui logo comprar um maço de cigarro, 1 caixa de chocolate, doces, 3 ruffles e 2 pringles.
Os meninos passaram pegando 5 reais de cada pra comprar bebidas e gelo pra colocar no freezer do ônibus.

Felipe: Ahhhhh… Refrigerante cara… Sério mesmo?
Rafael: É mano.
Felipe: Ah não, compra umas vodka, cerveja e energético.
Vitor: Ta louco cara!? Sem chance, depois a gente chega tudo chapadão e expulsam a gente de lá.
Rafael: É, depois no último dia a gente vai numa festa que vai ter lá e boa.

Voltei pro ônibus. coloquei as minhas compras no banco onde eu estava sentada e fui lá fora, na calçada, fumar.
Mal acendi o cigarro e alguém esbarrou em mim.

Thomaz: Opa! Desculpa.

Tinha que ser. Eu quero matar ele, mas eu sorri.

Eu: Tudo bem.
Thomaz: Mesmo?
Eu: Mesmo.
Thomaz: Ok. Me da um cigarro?
Eu: Não.
Thomaz: Por que?

Esbarrei nele propositalmente e segui meu caminho.
Terminei meu cigarro e voltei pro ônibus.
Já tava quase dado a 1 hora, faltava 5 minutos e todos já estavam voltando ao ônibus.

Cloe: Eu vi você falando com o Thomaz…
Eu: Não falei nada demais.
Cloe: Nem sobre a Celina?
Eu: Sinceramente, acho que isso não vai dar certo.
Cloe: Por que? Não vai me dizer que você ta desistindo dela porque ela cheiinha?

Também.

Eu: Claro que não. É que eu não me dou muito bem com ele.
Cloe: Ah, qual é Kat… Pelo menos tente.
Eu: Eu já tentei e tive vontade de mata-lo.
Cloe: Mas você prometeu.

Foda-se, só cumpro promessas quando me beneficiam ou a menos que eu goste muito da pessoa, o que não é o caso da Celina.

Eu: Ta, posso tentar mais uma vez.

- Marina Coutinho

Posted 11 April 2014, 1 week ago | reblog this post
Posted 11 April 2014, 1 week ago | 3,255 notes | reblog this post
(originally overdosedeamor / via adolescencia-escritaa)
Posted 11 April 2014, 1 week ago | 83 notes | reblog this post
(originally nosso-mantra / via deva-neioss)
"Tenho uma facilidade tão grande pra não gostar das pessoas que até eu me impressiono."

"Tudo nessa vida é uma questão de saber se relacionar, não tem jeito. Por mais antisocial e mal humorado que eu seja, preciso investir mais nessa coisa de forçar amizade. Dá pra tirar bastante proveito das coisas."

"Por isso que eu não perco a porra do meu tempo sendo educado, as pessoas nunca merecem."

"Eu até gostaria de ser mais efusivo às vezes, acho que me renderia mais amigos. Ou não. Vivo bem com os amigos que tenho, mesmo que não sejam muitos. Definitivamente não gostaria de ter mais. O negócio é que eu tenho preguiça de cumprimentar as pessoas. Elas sabem que eu estou no ambiente quando me vêem e, se quiserem falar comigo, basta virem. Não acho necessário anunciar “oi, estou aqui” em todo lugar pra onde vou, principalmente quando já conheço as pessoas."

"Pra variar, fiquei com preguiça de discutir. Muita gente pensa que ganhou na discussão só porque eu desisti de falar, gosto de dar esse prazer pras pessoas de vez em quando. É minha boa ação do dia."

"Nunca fui de acreditar em porra de namoro nenhum, em relação nenhuma, nem em amigos às vezes. Pra mim, as pessoas só tem alguma coisa por interesse, conveniência, qualquer merda do tipo. Não sou o cara mais foda do mundo, mas confio que tenho amigos de verdade, diferente da maioria das pessoas."

"Eu não gosto de falar com os outros, muito menos com quem eu não conheço, mas acho que não tem nada a ver com timidez. Eu só não gosto. Quero dizer, às vezes eu fico meio tímido perto de alguém, mas não acontece com frequência. Na maior parte do tempo eu só to com preguiça de fazer social."

"Que mania escrota essa de achar que a gente depende de outra pessoa pra viver. Eu dependia da minha mãe quando ela me amamentava, cara. Isso passou. Ninguém morre só porque terminou com o namorado. Acho que falta um pouco de tragédia na vida das pessoas pra elas começarem a ver o que é não conseguir viver sem tal coisa. Dá pra viver muito bem sem um namorado idiota."

"Sempre tento pensar que, se a merda tá feita lá atrás, não tem muito o que fazer além de olhar pra frente. Só que é difícil seguir os próprios conselhos, e a minha cabeça não parava de me torturar com a ideia de que eu tinha feito merda. "

"Só que chega uma hora que fica difícil recuperar o tempo. A gente nunca vai conseguir apagar o que aconteceu ou reviver as coisas, começar de novo e fazer diferente."

"Eu queria fingir que nada tinha acontecido. Parecia que falar era confirmar que tudo era real. Enquanto tu não abre a boca, dá pra fingir que não rolou nada. Dá pra mentir pra si mesmo."

-Thomaz Rohr, PQOGSPN
Perfeita Imperfeição ~
Let me live that fantasy
theme por affectingyou; com detalhes de decepcionar, abismopoetico e desesperancoso.